Regulamento

REGULAMENTO EXPOJOVEM 2020
 
RAÇA HOLANDESA - poderão ser inscritos 12 animais efetivos como criador/expositor e 6 reservas. O julgamento obedecerá ao Regulamento do Circuito Nacional da Raça Holandesa e seu respectivo Código de Ética.
RAÇA JERSEY - poderão ser inscritos 30 animais como criador/expositor, sendo 05 reservas. O julgamento obedecerá ao Regulamento da Associação Nacional de Criadores de Jersey e seu respectivo Código de Ética.
INSCRIÇÕES - As inscrições para a Expojovem podem ser feitas na Área de Negócios Leite, com Adrielle ou Bruno pelos telefones (42) 3234-8104 ou 3234-8108, até o dia 06 de março de 2020, às 17 horas impreterivelmente. Produtores poderão realizar as inscrições dos animais pelo link: http://www.agroleitecastrolanda.com.br/expojovem
 
ENTRADA E SAÍDA DOS ANIMAIS

 

Entrada de Animais
A entrada será liberada somente mediante apresentação da documentação original e inspeção dos animais, conforme determinado pela Agência de Defesa Agropecuária do Paraná – ADAPAR.
Data Categorias Horários
Quarta – feira, 11 de março de 2020 Bovinos – Expojovem 08:00 as 18:00
Quinta – feira, 12 de março de 2020 Bovinos – Expojovem 08:00 as 18:00
Sexta – feira, 13 de março de 2020 NÃO HAVERÁ ENTRADA DE ANIMAIS  
Sábado, 14 de março de 2020 Entrada – bovinos - LEILÃO 08:00 as 12:00
 
 
 
Saída de Animais
Os animais que participarão da EXPOJOVEM, terão sua saída liberada, no dia 13 de março de 2020, a partir das 19:00, mediante a emissão do GTA.
Os animais que participarão do 20º Leilão EXPOJOVEM, terão sua saída liberada após o término do evento mediante a emissão dos GTAs.
 
 
REGULAMENTO, NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O FUNCIONAMENTO
 
CAPÍTULO I
DA EXPOSIÇÃO
Art 1º - A Expojovem Castrolanda será realizada na cidade de Castro-PR, na Cidade do Leite no Pavilhão Agroleite, no período de 12 a 14 de março de 2020, com a participação das raças Holandesa e Jersey.
Art 2º - O certame será regido por este regulamento tendo por finalidade:
  1. Permitir a exposição de matrizes e reprodutores das raças: Holandesa e Jersey, a fim de divulgar e estimular, entre o público em geral, o melhoramento da produtividade leiteira e do plantel nacional;
  2. Divulgar novas tecnologias do setor leiteiro que visem o aprimoramento produtivo, além de proporcionar o entrosamento entre produtores rurais, industriais e técnicos do setor;
  3. Propiciar a compra e venda das raças de bovino leiteiro, através de leilão realizado durante o evento.
 
CAPÍTULO II
DAS INSCRIÇÕES
Art 3º - Os animais poderão ser inscritos no setor de Gestão Leite, com  Adrielle e Bruno pelos telefones (42) 3234-8104 e 3234-8108, ou pelo e-mail gestaopecuaria@castrolanda.coop.br, também podem acessar o link http://www.agroleitecastrolanda.com.br/expojovem  até o dia 06 de março de 2020 às 17:00 horas. É obrigatório à apresentação do histórico dos exames dos últimos 3 (três) anos da propriedade para brucelose e tuberculose. Os casos omissos serão avaliados e decididos pelos Comitês de Bovinocultura.
 
Art 4º - A quantidade de inscrições por expositor será definida pela Castrolanda Cooperativa Agroindustrial e Associação de Criadores de cada Raça.
Art 5º - As idades mínimas e máximas, assim como a seleção, para efeito de inscrições de bovinos deverão ser determinadas pelo regulamento das Associações brasileiras correspondentes.
 
CAPÍTULO III
DO RECEBIMENTO
Art. 6º - O recebimento dos animais acontecerá através de comissão técnica especializada, designada pela Castrolanda, com a competência de não permitir a entrada no recinto de exposições, dos animais que se apresentarem nas seguintes condições: bravios, mal preparados e portadores de defeitos desclassificatórios de acordo com os padrões raciais.
A ADAPAR possui a prorrogativa a de realização e acompanhamento da recepção dos animais na verificação do controle sanitário relativo a doenças infectocontagiosa e parasitárias, de qualquer natureza, podendo inclusive barrar a participação do animal vistoriado no certame, de acordo com:
Portaria nº 108 do MAPA, de 17 de março de 1993;
  • Cap. 4, artigos 33,40 e 41
Portaria nº 389 da ADAPAR, de 19 de dezembro de 2013;
  • Cap. 6, artigos 30 e 31
Todas as Associações deverão ter um técnico para fazer a Admissão dos Animais.
Art. 7º - O recebimento dos animais no recinto, conforme definido pela ADAPAR serão nos dias 11 e 12 de março de 2020, das 08:00 às 18:00 horas, para os animais que participarão da EXPOJOVEM, e dia 14 de março exclusivamente para os animais que participarão do Leilão.
 
QUALQUER DESCUMPRIMENTO A ESTA DETERMINAÇÃO SERÁ APLICADO UMA ADVERTÊNCIA DETERMINADA PELA MESMA NO MOMENTO DO CONTENCIOSO.
 
Art. 8º - A comissão organizadora determina que todas as fêmeas com idade para prenhes, conforme cada campeonato e dentro do estabelecido por cada associação terão que apresentar exame ginecológico com fins de diagnóstico de prenhes, que estabelece as exigências de apresentação e a validade de 06 (seis) meses para os exames de aptidão reprodutiva (ginecológico).
Art. 9º - A comissão organizadora determina que todos os machos com idade pré-estabelecida pela respectiva associação de raça, terão que apresentar exames andrológicos externos constantes de palpação e mensuração testicular.
 
CAPÍTULO IV
DA DEFESA SANITÁRIA ANIMAL
Art 10º - RECEBIMENTO
Para ingressar em Eventos Agropecuários, todos os animais deverão estar acompanhados da Guia de Trânsito Animal (G.T.A.), conforme determina a Portaria nº 162 do MAPA de 18 de outubro de 1994, em seu artigo 10º.
  1. As declarações e atestados sanitários devem ser emitidos na origem e estar devidamente assinados por Médico Veterinário, constando data, assinatura e o carimbo com indicação do nome legível e registro do CRMV. Somente serão aceitos documentos originais, os quais devem vir em duas vias, acompanhando os animais. DOCUMENTOS SANITÁRIOS FALTANTES, FOTOCOPIADOS OU RASURADOS EXCLUIRÃO O ANIMAL DA EXPOSIÇÃO, O QUAL DEVERÁ RETORNAR À ORIGEM OU PERMANECER EM LOCAL ISOLADO FORA DO PARQUE DE EXPOSIÇÕES, À CUSTA DO PROPRIETÁRIO.
  2. Os atestados de vacinação, de exames e certificados deverão ter validade de no mínimo até a data de saída dos animais do evento que será no dia 14 de março de 2020.
  3. O ingresso dos animais em Eventos Agropecuários deve satisfazer as seguintes condições, de acordo com a espécie animal.
 
Art. 11º - PARA BOVÍDEOS
FEBRE AFTOSA
De acordo com a IN nº 47, de 15 de outubro de 2019, a manutenção, comercialização e utilização da vacina contra Febre Aftosa, está proibida no estado do Paraná desde 31 de outubro de 2019.
A consequência desta proibição, resultou na IN nº 37, de 27 de dezembro de 2019, a qual PROÍBE o ingresso e incorporação de animais vacinados contra a Febre Aftosa no Estado do Paraná.
Sendo assim, apenas poderão participar de eventos agropecuários no Estado do Paraná, os Bovinos e Bubalinos exclusivamente dos Estados do Paraná e Santa Catarina.
Os Bovinos e Bubalinos oriundos do Estado de Santa Catarina, não poderão retornar a propriedade de origem, pelo estado sanitário do Paraná em relação a Febre Aftosa perante o Estado de Santa Catarina, ainda depender do reconhecimento Internacional.
 
BRUCELOSE
Conforme determina a Portaria Estadual nº 305, de 20 de novembro de 2017.
  1. Necessário atestado de vacinação contra brucelose para:
- Fêmeas vacinadas com a B19 entre 3 a 8 meses de idade e com idade até 24 meses, oriundo do Estado do Paraná
- Fêmeas acima de 8 meses não vacinadas com a vacina B-19 oriundas do estado do Paraná, deverão apresentar atestado de vacinação RB51.
  1. Necessário atestado de não reagente ao teste de diagnóstico para brucelose:
- Fêmeas vacinadas com a vacina B19, acima de 24 meses de idade, oriundas do estado do Paraná.
- Fêmeas com idade igual ou superior a 8 meses, se vacinadas ou não com a vacina RB51, oriundas do estado do Paraná.
- Fêmeas não prenhes de qualquer idade obrigatoriamente vacinada com a RB51, quando oriunda diretamente do Estado de Santa Catarina.
OBS: É permitido o ingresso de fêmeas gestantes oriundas diretamente do Estado de Santa Catarina, desde que apresentem laudos com resultado negativo aos testes de diagnósticos para Brucelose Bovina, e atestado de gestação original, identificado e assinado pelo Médico Veterinário responsável pelos exames, com data não superior a 30 dias da emissão do GTA.
- Machos acima de 08 meses de idade, oriundo dos estados do Paraná e Santa Catarina.
  1. Os atestados de diagnóstico têm validade de 60 dias após a coleta de sangue, e até no máximo 60 dias antes da saída dos animais do evento, devendo ser emitidos por Médicos Veterinários habilitados.
 
TUBERCULOSE
Conforme determina o Instrução Normativa SDA nº 10, de 3 de março de 2017.
  1. Atestado de reação negativa ao TESTE CERVICAL COMPARADO (TCC) ORIGINAL, efetuada até 60 dias da saída dos animais do evento, para bovinos com idade igual ou superior a 6 semanas de vida.
  2. Os atestados de diagnóstico têm validade de 60 dias após a inoculação das tuberculinas, e até no máximo 60 dias antes da saída dos animais do evento, devendo ser emitidos por Médicos Veterinários habilitados.
 
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
  1. Todos os animais serão obrigatoriamente examinados por médicos veterinários da Defesa Sanitária Animal, em local apropriado, antes da admissão no recinto da exposição e feira;
  2. Todos os animais deverão estar identificados individualmente, de forma clara e permanente, segundo o adotado para cada espécie;
  3. NÃO SERÁ ADMITIDO O INGRESSO DE ANIMAIS ACOMETIDOS, SUSPEITOS OU EM TRATAMENTO DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS, DE ANIMAIS REAGENTES AOS TESTES LABORATORIAIS OU ALÉRGICOS REQUERIDOS, ASSIM COMO DE ANIMAIS PORTADORES DE ECTOPARASITAS, (carrapato, berne, mosca do chifre, piolho, etc.) E QUALQUER LESÃO DE PELE (dermatofilose, dermatofitose e papilomatose).
O Artigo 40, da Portaria nº 383, da ADAPAR, NÃO PREVÊ A APRESENTAÇÃO DE “LAUDO DE TRATAMENTO” para quaisquer tipo de Doença Infectocontagiosa.
  1. A qualquer tempo, a ADAPAR, poderá exigir o cumprimento de outros requisitos inclusive teste ou reteste para diagnóstico de doenças e vacinações ou revacinações dos animais participantes do evento;
  2. O teste ou reteste poderá ser realizado em todos os animais ou, por amostragem, a critério da ADAPAR;
  3. Para os animais que apresentarem resultados positivos nos testes realizados, a ADAPAR tomará as medidas cabíveis que o caso requer;
 
 
 
 
DAS RESPONSABILIDADES
A pessoa física ou jurídica promotora do evento agropecuário, o expositor, o proprietário ou detentor dos animais e os Médicos Veterinários do serviço oficial ou privado respondem penal, civil e administrativamente pelas atitudes ilícitas e infração as normas estabelecidas na Portaria do MAPA nº162, de 18 de outubro de 1994, na Lei Estadual nº 11.504, de 6 de agosto de 1996 e no Decreto Estadual nº 2.792 de 27 de dezembro de 1996 e alterações no decreto 3004/2000 e Resolução 42/09 de 7 de abril de 2009.
O ingresso de animais em eventos agropecuários, para espécies, finalidades e situações, não específica nesta Norma, poderá ser proibido ou autorizado pela Divisão de Defesa Sanitária Animal, mediante análise ou consulta a outros órgãos competentes.
 
DA IDENTIFICAÇÃO E ADMISSÃO DOS ANIMAIS
Os Bovinos deverão estar identificados individualmente de forma permanente por brinco.
No caso de doenças transmissíveis, a proibição do ingresso estende-se aos animais susceptíveis que tiveram contato com os animais doentes.
Os animais cujo ingresso no recinto de Exposição, Feira ou Leilão não tenha sido permitido, deverão retornar ao estabelecimento de procedência ou ter o destino conforme determinação da autoridade veterinária oficial;
 
OUTROS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA A ENTRADA DOS ANIMAIS NO PARQUE DE EXPOSIÇÕES
  1. Todos os Bovinos Europeus, Euro-índicos e Zebuínos com mais de 18 (dezoito) meses, deverão ser acompanhados de certificados de aptidão reprodutiva, andrológicos para os machos e ginecológicos para as fêmeas em conformidade com a portaria MAPA nº 108 de 17 de março de 1993 e IN do MAPA n° 36 de 09/10/14. Esses exames serão conferidos pelos Jurados de Admissão.
  2. A participação de animais procedentes de outros países obedecerá ao regulamento específico do MAPA.
  3. Compete à Defesa Sanitária Animal decidir sobre qualquer matéria de natureza sanitária omitida neste regulamento, podendo a qualquer tempo, estipular outras que julgar necessárias, além daquelas já descritas.
 
DAS EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O PARQUE DE EXPOSIÇÕES
  1. Não será permitida a presença de animais dentro dos pavilhões e baias, no prazo de 30 (trinta) dias antes do início da Exposição;
  2. Os currais deverão ser lavados e desinfetados 30 (trinta) dias antes do início da Exposição;
  3. Durante o certame, todos os currais deverão ser limpos, lavados e desinfetados como condição para o ingresso de animais com intervalo de 24 horas;
 
DA COLOCAÇÃO DOS ANIMAIS E TRATADORES (BARRACAS) NO PARQUE DE EXPOSIÇÕES
Art. 14º - A colocação será determinada pela comissão organizadora, de comum acordo com as Associações de raça, levando em consideração: espécie, raça e número de animais.
Parágrafo. Único - A exata localização dos animais será fornecida ao tratador logo após o recebimento e liberação dos animais, contendo pavilhão e identificação destinadas ao expositor.
Art. 15º - As barracas destinadas ao abrigo de tratadores, depósito de rações e materiais de consumo e limpeza, deverão ser de propriedade de cada expositor e proporcionar boa apresentação, devendo ser montadas no local previamente destinado pela Comissão Organizadora, mantendo relação de proximidade com o respectivo rebanho.
DO USO DE PUBLICIDADE
Não é permitida a colocação de propaganda no Pavilhão Agroleite. Nenhum expositor poderá de forma alguma colocar faixas com marcas de empresas, nem mudar as fachadas dos pavilhões com lonas e placas sem o consentimento da Comissão Organizadora do evento.
 
CAPÍTULO V
DA MANUTENÇÃO E LIMPEZA DOS ANIMAIS NO RECINTO
Art. 16º -. A Alimentação dos animais será de responsabilidade dos expositores de animais.
Parágrafo. Único - Cama de animais (cepilho). Serão fornecido pela comissão organizadora.
Art. 17º - A limpeza dos pavilhões, tanto interna como externa, será de responsabilidade dos tratadores, jogando os estercos dentro das caçambas na entrada dos pavilhões. Todos os tratadores deverão se apresentar adequadamente trajados e limpos.
 
CAPÍTULO VI
DA ASSISTÊNCIA VETERINÁRIA
Art. 23º - A assistência médica veterinária, durante a Exposição, será prestada por qualquer uma das empresas parceiras da Castrolanda. Todo este atendimento dentro do parque será totalmente terceirizado, contudo, todas as despesas referentes ao tratamento de animais correrão por conta e custo dos expositores, devendo ser pagas diretamente para estas empresas.
Parágrafo. Único - O animal que for atacado por doença infecto-contagiosa deverá ser isolado no recinto, com imediata comunicação ao Serviço de Defesa Sanitária Animal que determinará as medidas cabíveis.
Art. 24º - A Cooperativa Castrolanda e a firma que prover assistência veterinária, não se responsabilizarão por eventuais danos sofridos aos animais, sejam em consequência de acidentes, moléstias, procedimentos clínicos, diagnósticos ou quaisquer outras circunstâncias verificadas antes, durante e após o certame.
 
 
 
CAPÍTULO VII
DA IDENTIFICAÇÃO DOS ANIMAIS PARA JULGAMENTO
Art. 25º - Os animais serão identificados com numeração de catálogo (colar e lacres).
Art. 26º - Os puxadores deverão entrar em pista com calça branca, camisa de botão (branca de preferência), cor única ou xadrez. Não deverão fazer uso de camisas e bonés com marca de empresas.
 
CAPÍTULO VIII
DO JULGAMENTO DE BOVINOS
Art. 27º - Os julgamentos serão públicos, devendo, porém, os assistentes e expositores não prejudicar o trabalho dos jurados. Fica convencionado que os julgamentos serão efetuados por jurado único.
Art. 28º - Os jurados não poderão criar classes ou categorias e nem subdividir as estabelecidas neste regulamento, bem como cumprir os horários de início e termino dos julgamentos determinados pela Comissão Organizadora.
Art. 29º - O desacato a qualquer jurado por parte dos expositores, seus prepostos, ou empregados, implicará na retirada de seus animais, sem prejuízo de outras providências que a comissão possa tomar, de acordo com as normas que regulam as Exposições no Estado do Paraná.
Art. 30º - Quando o animal em julgamento despertar dúvidas em relação a sua idade, a Comissão Organizadora poderá exigir, em pista, a apresentação do documento original de controle ou registro.
Art. 31º - As raças determinaram normas específicas para julgamento de Conjunto Raça e Progênie, ficando estabelecido o seguinte:
  1. No que se refere a Raça holandesa, o julgamento obedecerá ao Regulamento e o Código de Ética da ABCBRH (Associação Brasileira de Criadores da Raça Holandesa);
  2. No que se refere a Raça Jersey, o julgamento obedecerá ao Regulamento e o Código de Ética da Associação dos Criadores de Gado Jersey do Brasil;